Ir para conteúdo
Conselhos Úteis

O CÃO PODE SER O SEU MELHOR AMIGO
Mas… atenção! A sua saúde e o bem-estar da sua companhia dependem de si.

QUER SABER COMO?
Conheça, então, as regras de ouro no convívio com os cães, essenciais para o bem-estar e saúde da sua companhia e, simultaneamente, para a defesa da saúde pública.

A primeira regra, de resto universal, não é mais do que acarinhar e disponibilizar o tempo e a atenção indispensáveis ao seu companheiro.
As restantes regras, também fundamentais, dizem respeito ao relacionamento dos cães com o Homem e, acima de tudo, à Saúde Pública.

DA SAÚDE
A prevenção de certas doenças pode ser facilmente conseguida através, nomeadamente, de vacinas. Assim acontece, por exemplo, com a vacinação contra a Parvovirose (a conhecida diarreia de sangue), a Leptospirose (potencialmente transmissível ao homem) e, entre outras, a raiva. A lei portuguesa prevê, mesmo, a obrigatoriedade da vacinação anti-rábica em canídeos a partir dos 3 meses. Através de edital afixado pela Câmara Municipal, a comunidade é informada do programa oficial de vacinação anti-rábica.

As desparasitações são também essenciais, uma vez que não só previnem doenças nos canídeos, como afastam a possibilidade de transmissão de certos parasitas ao homem. Podem ser internas, prevenindo contra lombrigas e ténias (algumas destas podem transmitir ao homem o chamado quisto hidático, que é uma grave doença, que implica tratamento cirúrgico) e externas, combatendo pulgas, carraças, ácaros e mosquitos.

Acrescem, ainda, regras comportamentais, designadamente na utilização de insecticidas nos cães, na sua alimentação, etc. Por isso…

OUÇA SEMPRE O SEU MÉDICO VETERINÁRIO

DA CIDADANIA
A identificação electrónica dos cães com microchip é essencial no caso de desaparecimento ou roubo, pois permite a localização e faz prova de propriedade, através da consulta da base de dados na Junta de Freguesia. A sua aplicação, assegurada na campanha oficial anual pela Câmara Municipal, é feita através de uma simples injecção.
A lei portuguesa prevê a obrigatoriedade da identificação com microchip dos cães de exposição, cães de caça, cães potencialmente perigosos e cães nascidos depois de 1 de Julho de 2008.

A circulação na via pública deve ser feita preferencialmente com trela, ou com açaime. No caso dos cães potencialmente perigosos é mesmo obrigatório, por força de legislação específica.

Deverá ainda registar e licenciar os seus cães na Junta de Freguesia da sua área de residência.

A CMO disponibiliza, em diferentes locais da cidade, suportes com receptor e sacos de plástico para que possa recolher os dejectos do seu cão, quando com ele circular na via pública. Para além de um acto de cidadania, contribuirá, assim, na defesa da saúde pública.

NÃO ESQUEÇA: UMA ANIMAL ACARINHADO, DEVIDAMENTE TRATADO, VACINADO E LICENCIADO CONTRIBUI PARA A MELHORIA DA SUA QUALIDADE DE VIDA E DA SUA COMUNIDADE.

Serviços Veterinários da Câmara Municipal de Olhão